menu
   
 
   
 
A importância de uma equipe no processo de plantação de igrejas
A experiência tem demonstrado que na tarefa de se plantar uma nova igreja alguns requisitos são indispensáveis. Um deles é ter um plantador adequado e devidamente treinado, equipado e mentoreado. Outro requisito indispensável é o estabelecimento de uma equipe que se envolva com o processo de plantação, a qual em alguns casos é chamada de “grupo base”. [+]

 

A experiência tem demonstrado que na tarefa de se plantar uma nova igreja alguns requisitos são indispensáveis. Um deles é ter um plantador adequado e devidamente treinado, equipado e mentoreado.

            Outro requisito indispensável é o estabelecimento de uma equipe que se envolva com o processo de plantação, a qual em alguns casos é chamada de “grupo base”. Quero desenvolver nesse texto alguns pensamentos relacionados à importância de termos uma equipe e de como podemos trabalhar para formá-la e mantê-la.
 
A importância de uma equipe.
 
Uma equipe faz-se necessário no processo de plantação de uma nova igreja por vários motivos. Um plantador de igreja deveria entender o seu chamado não como um “paladino da justiça”, alguém que tem uma responsabilidade de fazer tudo sozinho, mas como um técnico de futebol que tem como responsabilidade primaria ajuntar um grupo de pessoas e equipá-los para juntos plantarem uma nova igreja.
Em Mateus 9.35-38, Jesus ao se deparar com uma grande multidão que precisava ser servida e abençoada com o Reino de Deus instruiu seus discípulos que orassem por mais trabalhadores. Ou seja, havia a necessidade de uma equipe para realizar junto o trabalho. Em Mateus 10.1 somos informados de que Jesus selecionou 12 de seus seguidores e lhes conferiu autoridade para realizarem as obras do Reino como ele vinha fazendo.
Uma equipe é importante no processo de se plantar uma igreja porque através dela, entre outras coisas, o plantador pode:
 
Multiplicar o ministério. Quando se começa o processo da plantação de uma nova igreja há muitas coisas que precisam ser feitas e geralmente se estamos sozinhas todas terão que serem feitas por nós. Desde contatar pessoas até a montagem do ambiente para a reunião são coisas que podem estar sobre os ombros do plantador se o mesmo estiver sozinho. Envolver-se no processo de plantação tendo uma equipe ao nosso lado, logo cedo, nos liberará para concentrar nossa atenção em pontos mais específicos do nosso trabalho como o evangelismo pessoal e a pregação, enquanto outros membros da equipe podem cuidar de outros detalhes e outras frentes do ministério. Veja, por exemplo, em Atos 18.1-17 nós encontramos a narrativa da plantação da igreja de Corinto. Tenho visto muitas vezes com base nesse texto o argumento de que Paulo era um “fazedor de tendas”, querendo-se dizer que o apóstolo Paulo era alguém que tinha um ministério “bi-vocacional”, fazia tendas para levantar seu sustento e pregava o Evangelho. No entanto, tal argumentação é equivocada diante do que o texto nos apresenta. Na verdade o que o texto nos mostra é que Paulo tinha uma equipe que lhe dava condições de ser liberado para se concentrar em uma esfera mais específica de seu ministério. No verso 3 lemos que Paulo ficou morando com Priscila e Áquila e trabalhando com eles por terem a mesma profissão e no verso 4 somos informados de que “todos os sábados ele debatia na sinagoga, e convencia judeus e gregos”. Mas observemos o verso 5: “Depois que Silas e Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo se dedicou exclusivamente à pregação, testemunhando aos judeus que Jesus era o Cristo”. Ou seja, graças a chegada de sua equipe, Paulo pode se dedicar exclusivamente a pregação do Evangelho.
 
Mentorear outros. O trabalho em equipe também nos dá a oportunidade de logo de início termos pessoas que estaremos mentoreando no processo da liderança. Paulo diz a Timóteo que aquilo que ele ouvira sendo ensinado por Paulo na presença de muitas testemunhas ele, Timóteo, deveria ensinar a homens fiéis e idôneos que pudessem ensinar a outros (2Timóteo 2.2). Note que Paulo tinha um processo de mentoria com Timóteo, que fazia parte de sua equipe, e o orienta a encontrar outros que também pudessem fazer parte da equipe de Timóteo para ser mentoreado por ele logo cedo. Uma das necessidades que temos quando o processo de plantação de uma igreja vai se desenvolvendo é de líderes treinados e capacitados e uma das melhores formas de termos esses líderes é partir para o processo desde o início com uma equipe onde teremos pessoas que estarão debaixo de nossa mentoria.
 
Maximizar recursos. Quando temos uma equipe outra vantagem que encontraremos é a maximização de recursos. Recursos de tempo, dinheiro, dons e talentos, são maximizados no processo de plantação quando não estamos sozinhos. Um grupo de pessoas que se dispõe ao envolvimento na plantação de uma nova igreja serão pessoas que investiram de seu tempo e dinheiro no projeto, pelo menos. Uma maneira de saber se alguém está mesmo envolvido com a visão que Deus tem compartilhado conosco é ver o quanto à pessoa está disposta a dar de seu tempo e de seu dinheiro. Pessoas que afirmam estarem comprometidas com algo, mas não investe tempo e dinheiro no que dizem estarem comprometidas é porque não estão comprometidas. No Evangelho de Lucas 8.1-3 somos informados de que Jesus tinha em sua equipe não apenas os 12 apóstolos, mas também mulheres que colaboravam com o sustento de seu ministério.
 
Mobilização da Igreja. Lançar-se no processo da plantação de uma nova igreja com uma equipe ainda nos oferece a oportunidade de mobilizar as pessoas que estão em igrejas já estabelecidas, levando-as ao exercício de seus dons e talentos. Há muitas pessoas que estão encostadas em suas igrejas locais, sem desafios e sem serem aproveitadas em nada. Pessoas com seus talentos enterrados e seus dons atrofiados, porque não encontram espaço para se envolverem no ministério. Quando partimos para a plantação de uma nova igreja, munidos de uma equipe, a tendência é que haja uma grande mobilização na igreja mãe ou nas igrejas das quais nossos colaboradores saíram. Isso pode ocorrer tanto pelo fato de pessoas que estavam paradas em suas igrejas virem e se envolverem ativamente no processo da plantação da nova igreja, como também através do fato de que pessoas que estavam envolvidas em suas igrejas locais ao saírem para se engajarem na plantação de uma nova igreja, abrem espaço para que suas atividades e funções na igreja de origem sejam ocupadas por outros que estavam parados.
 

Passos para a formação de uma equipe.

 
Vimos como é importante se ter uma equipe para o processo de plantação de uma nova igreja. Vejamos agora como podemos reunir essa equipe. O que devemos fazer para compor a equipe que nos auxiliará no processo de plantação de uma nova igreja?
 
Orar. Nossa primeira ação deve ser a oração. Seguir a orientação que Jesus deu a seus seguidores frente a constatação de que a ceara é grande e de que é necessário mais trabalhadores para a colheita por isso devemos pedir ao Senhor da ceara que envie trabalhadores continua sendo essencial (Mateus 9.37-38). Por mais intenso e cansativo que possa ser o trabalho de plantar uma nova igreja, o mesmo será bem pior, se não tivermos ao nosso lado na equipe às pessoas certas. Portanto, a primeira ação na nossa tarefa de ajuntar uma equipe é orar e pedir ao Pai pelas pessoas que ele tem para essa tarefa.
 
Listar nossas necessidades. Outra ação que devemos realizar ao procurar reunir ao nosso redor uma equipe para a plantação de uma nova igreja é listar quais necessidades teremos para a execução do processo. Estamos formando uma equipe de trabalho, então, devemos ter bem claro para nós mesmos quais as necessidades que precisaremos suprir. Que tipos de trabalho irão executar, que tipo de frentes e necessidades teremos que suprir. Isso precisa estar claro para nós, pois somente assim saberemos a quem buscar e também teremos condições de dizer com clareza para as pessoas o que esperamos de cada uma que irá integrar a equipe.
 
Observar quem tem estado ao nosso redor. Devemos manter nossos olhos abertos e nossos ouvidos atentos. Devemos observar as pessoas com quem nos relacionamos e as pessoas que se aproximam de nós. Atentar para a reação de cada uma quando compartilhamos a nossa visão de plantar uma nova igreja e como elas se posicionam diante dos desafios e das necessidades que apresentamos a elas relacionadas a essa tarefa. Se estamos orando, precisamos crer que o Pai tem selecionado as pessoas que devem integrar a nossa equipe e estar atento para não deixar passar ao largo aqueles que o Senhor estiver trazendo para nós (Lucas 6.12-13).
 
Convidar aqueles que entendemos terem as qualificações que necessitamos. Algo que me impressiona no ministério de Jesus é que ele é quem escolhe aqueles que deveriam segui-lo. Ele é quem seleciona entre seus discípulos aqueles que ele quer tornar apóstolo. Na verdade há situações onde as pessoas se oferecem para se tornarem suas seguidoras e Jesus as rejeita, ou então, estabelece o critério que deveria levar a pessoa a analisar sua decisão (Mateus 8.18-22). Outro detalhe interessante que podemos ver a partir do ministério de Jesus é que parece que ele sempre chama pessoas que estão ocupadas com alguma coisa. Por exemplo, quando chamou a Pedro, André, Tiago e João, os mesmos estavam terminando de lavar as redes depois de uma noite de trabalho, e Levi está sentado na coletoria, quando Jesus o chama. Esse mesmo padrão nós também encontramos presente no livro de Atos. É Barnabé quem vai chamar Paulo para fazer parte de sua equipe em Antioquia; é o Espírito Santo quem separa a Paulo e Barnabé para a missão de plantarem novas igrejas; é Paulo quem escolhe a Silas e a Timóteo para que fizessem parte de sua equipe de plantadores e é Timóteo que, conforme a instrução de Paulo, tem que escolher os homens fiéis e idôneos e os presbíteros e diáconos para a igreja em Éfeso. Não estou dizendo aqui que não devemos estar abertos a pessoas que venham a se voluntariar para cooperar com o trabalho, mas que não devemos ter essa prática como nosso critério. Ao contrário, devemos tomar a iniciativa de buscar e desafiar aqueles que Deus for aproximando de nós e nos mostrando serem úteis ao ministério.
 
 Ações para a manutenção da equipe.
 
Nossa última análise diz respeito a como manter unida e atuante a equipe que reunimos. Antes de compartilhar algumas idéias quanto a isso é importante lembrar que é natural que algumas pessoas venham deixar a equipe ao longo do processo por várias razões. Isso pode acontecer devido a uma mudança de residência, a uma mudança no momento de vida, a uma percepção de que o que está envolvido na missão não era bem o que se esperava e outras razões.
Contudo, é nosso dever trabalhar para que o grupo que reunimos possa se sentir motivado e disposto no processo da plantação, certos de que no Senhor nosso trabalho não é vão (1Coríntios 15.58).
Para tanto, como líderes da equipe, algumas ações que podemos tomar são:
 
Despender tempo com as pessoas da equipe. Jesus chamou os 12 primeiro para estarem com ele e depois para os enviar a pregar (Marcos 3.14). Devemos estar ao lado dessas pessoas que vão compor nossa equipe. Levá-las conosco para ministrarem a outros, orar com elas, ouvi-las, afirmá-las e animá-las. Elas constituem o foco mais intimo de nosso ministério e pastorado. Se elas não se sentirem cuidadas e afirmadas por nós, logo desanimaram.
 
Equipar as pessoas para o ministério. Lembre-se de que Efésios 4.11-12 diz que nossa principal tarefa é equipar os santos para o ministério. As pessoas que vierem compor a equipe irão se sentir intimidadas e desqualificadas diante dos desafios da plantação de uma nova igreja. Assim, devemos usar uma parte de nosso tempo para providenciar a elas treinamento e encorajamento em áreas específicas que forem sentindo necessidade como evangelismo pessoal, aconselhamento, exegese cultural e etc.
 
Monitorar o progresso da equipe mês a mês e mentorear sua necessidades. Quando Jesus enviou seus discípulos, tanto os 12 quanto os 70, não os abandonou. Embora os mesmos estivessem envolvidos no ministério e estivessem realizando as obras do Reino de Deus, Jesus continuou orientando-os e ajudando-os a manterem-se focados no que era essencial (Lucas 10.1-24). As cartas de Paulo a Timóteo e Tito visavam prover aos mesmos o monitoramento e mentoreamento de que necessitavam no processo de serem pessoas envolvidas no ministério ao lado do apóstolo. Encontros sistemáticos de avaliação e orientação da equipe são imprescindíveis.
 
Celebrar com a equipe cada vitória alcançada, sejam grandes ou pequenas. Devemos demonstrar a nossa gratidão a Deus e as pessoas da equipe a cada fase do processo que completamos e a cada alvo que alcançamos. A Bíblia diz que devemos dar honra a quem é de direito e que os membros que temos no corpo que são menos expressivos são aqueles que mais ornamentamos. Assim, devemos aprender a afirmar as pessoas que são nossas colaboradoras tanto publicamente como privadamente. Expressar nossa gratidão pela colaboração e empenho da equipe vai manter o ânimo da mesma e incentivá-la a dar mais de si para o Reino de Deus.
 
Conclusão.
 
            No processo de plantação de uma nova igreja não está em pauta apenas nossa capacidade pessoal de desempenhar bem nossas funções e dons. Acima de tudo, a plantação de uma igreja é a expressão de uma nova comunidade de discípulos na terra que sinalizam que outro Rei está reinando.
            Assim, precisamos começar o processo com a composição de uma equipe que esteja disposta a servir junta na tarefa de plantar essa nova igreja. Talvez a melhor maneira de começarmos um processo saudável de plantação de uma nova igreja é entendermos que como plantadores somos líderes-servos que devem ter a responsabilidade de prover a direção para a equipe, cria um ambiente saudável para os relacionamentos e pastorear a equipe provendo entusiasmo com o que Deus está fazendo.
            É importante que um plantador entenda que se ele não servir bem sua equipe não será servido por ela. Espero que esse texto nos ajude nessa tarefa.
 
 
Ricardo Ferreira da Costa
Pastor da Comunidade Presbiteriana de Vinhedo

 

Ricardo Costa